terça-feira, 24 de agosto de 2010

Praia de Messejana

Navegava eu hoje, por mares nunca dantes navegados e eis quando ao dobrar do cabo do http://alentejanando.weblog.com.pt/, dou com este post...???

Parábola da Praia de Messejana


Consta que a virtual Praia tem ancoradouro na seguinte passagem.

Quando o Brito Camacho foi nomeado primeiro-ministro, os messejanenses pensaram logo em tirar proveito da costela conterrânea do governante. Uma comissão de notáveis foi recebida pelo patrício ministro que, serenamente, ouviu das suas reivindicações. Queremos isto, mais isto e aquilo e ainda isto, olhe, e ainda esquecíamos mais isto. Com a fina ironia alentejana que tão bem soube expor nos seus escritos, Brito Camacho, perguntou maliciosamente se, para além daquilo tudo, não quereriam também uma praia lá para a terra. A comissão de notáveis, empolgada com a abertura do governante, ripostou de imediato: arranje então lá a água, que a areia arranjamos nós!

Durante anos a palavra praia esteve erradicada do vocabulário messejanense. Ainda há poucos anos aquando da construção do depósito de água, a malandragem de Aljustrel comentava: os da praia já tem farol e tudo...!
 
 
 
 

2 comentários:

Maria Raquel Ferreira disse...

Já agora vou comentar uma situação veridica sobre a bela praia de Messejana. O meu pai Francisco Cabecinha, ia a Messejana vender peixe,não ligando ou não sabendo do historial da terra, apregoava a sua mercadoria da seguinte maneira" peixinho fresco saído do mar e da praia" um belo dia uma comissão de Messejanenses unirão-se para lhe darem uma bela tareia,pois estavam a ser gozados pelo peixeiro, valeu ao meu pai um senhor da terra com um pouco mais de serenidade,ir falar com ele e avisa-lo do que se estava a passar,assim sendo o meu pai pediu desculpas publicas, nunca mais fez o seu pregão e livrou-se da tareia. Eu desde muito pequena conheço esta história pois foi o meu próprio pai que nos contou todo este embrolio.

Maria Raquel Ferreira disse...

Já conheço esta história à muitos anos