domingo, 15 de janeiro de 2012

COOP BEJA - TESTEMUNHO DE UMA FUNCIONÁRIA

"Chamo-me Francisca Fernandes, neste presente momento ao fazer uma retrospetiva da minha vida profissional e pessoal, reflito sobre o triste episódio que atualmente a Cooperativa Proletário Alentejano atravessa e no qual se debate com diversas dificuldades.

Eu, enquanto funcionária desta Cooperativa, na qual trabalho desde os meus 22 anos e com 20 anos de serviço, fico muito consternada e triste ao assistir ao panorama em que o meu local de trabalho se veio a tornar nos últimos tempos, ou seja, com o passar dos anos, desde a abertura da Cooperativa Proletário Alentejano, começaram a abrir grandes superfícies comerciais em Beja, acabando por afastar a nossa clientela e a crise bateu-nos à porta acabando por dar o trsite desfecho que se veio a verificar na Cooperativa: falta de clientela, falta de produtos, afastamento dos sócios... devido à escassez de produtos, entre outros motivos.

Olho ao meu redor e relembro com tristeza os tempos em que a nossa loja vendia o suficiente para suportar os postos de trabalho que eram necessários para a gestão da Cooperativa. Tínhamos produtos de qualidade regionais e dos quais os nossos sócios tanto apreciavam... o que se comprava nas compras feitas pelos mesmos, verificando-se uma quantidade de clientes considerável, ainda relembro o movimento da loja, os clientes habituais, o dinamismo da loja ...

Foi na Cooperativa que eu passei a gravidez do meu filho Francisco (agora com 6 anos), sempre com o mesmo empenho, polivalência e dedicação. Mais tarde, a minha filha Tânia concluiu o seu curso superior que só foi possível com o rendimento que eu auferia com a Cooperativa.

Hoje não consigo vislumbrar o futuro da minha vida sem o meu posto de trabalho na Cooperativa onde durante 20 anos eu me dediquei com todo o meu esforço, lealdade e empenho nas minhas tarefas, que foi sempre uma constante no meu percurso profissional. Quero acreditar e acredito que mereço genuinamente uma oportunidade pelo tanto que tenho dado de mim a esta casa (Cooperativa): o meu posto de trabalho. Contudo, para que isso aconteça peço aos nossos sócios que se sensibilizem e nos ajudem! Peço que façam compras na nossa loja, pois a minha situação laboral e a dos/as meus/minhas colegas estão em jogo e são muitos postos de trabalho em risco de se extinguirem onde sequencialmente existem famílias para sustentar!

Gostaria de dar a conhecer a todos os sócios e a todos aqueles que queiram também tornar-se sócios da Cooperativa Proletário Alentejano, que já temos mercadoria nas prateleiras e com os seus característicos Produtos Regionais que por todos são apreciados. Solicito pois a todos vós, que estão a ler este testemunho que nos venham visitar fazendo compras na nossa loja.

Espero poder mais tarde continuar a contar a história da minha vida que é a COOPERATIVA PROLETÁRIO ALENTEJANO. Conto com a Solidariedade de todos os Sócios. A todos um MUITO OBRIGADO!

Francisca Fernandes “

4 comentários:

Olivia Ferreira disse...

É realmente triste! As pessoas preferem produtos de duvidosa qualidade, porque é chique ir às grandes superfícies e esquecem-se que foi ali, anteriormente, que se forneciam dos bens de primeira necessidade! Enfim, só espero que os sócios se consciencializem e retornem à Cooperativa!

URTIGÃO disse...

Estão a chegar ao aldeagar, alguns comentários sobre este assunto.

No entanto e no seguimento da postura que este blog tem seguido desde a sua fundação, não serão publicados quaisquer tipo de comentários que não acrescentem mais informação ao que foi disponibilizado no post inicial.
A.Barriga

Anónimo disse...

Aceito Barriga, mas é a verdade.

Anónimo disse...

Muito Bom post.

Realmente, este flagelo agrava em muito a situação do pessoal...

Na esperança de poder ajudar,

deixo alguma informação adicional sobre trabalho temporário... não é solução, mas pode contribuir para um começo diferente... As pessoas não podem é desanimar! Força aí! www.trabalhoparajovens.blogspot.com
Trabalho e Empregos Temporários para os Jovens Encontra tudo sobre o trabalho temporário para jovens. Descobre onde, como e em que contexto esta poderá ser uma solução!

Força!